29 de julho de 2014

Imitadores de DEUS

Qual o maior prazer de um pai ao ver seu filho? Como pai de três meninos sinto-me com a enorme responsabilidade de ser um exemplo para a vida deles. Minha alegria é quando os vejo agindo de acordo com a Palavra de Deus. Mas o que alegra, e ao mesmo tempo acende um alerta em meu coração, é quando eles imitam minhas ações; alegria quando é algo bom, alerta quando é algo ruim. Querendo ou não meu exemplo pode influenciar positiva ou negativamente meus filhos.
Pr. Gilson Jr. - Igreja Batista do Estoril - Bauru-SP
O apóstolo Paulo escrevendo aos efésios diz: “Portanto, sede imitadores de Deus, como filhos amados” (Efésios 5:1). Alguém poderia questionar essa palavra e dizer: “Como podemos imitar a Deus? O que Paulo quis dizer com isso?”. É interessante notar que o apóstolo usa o vocábulo mimêtai, do qual deriva a palavra mimetismo em português. Aqui o vocábulo diz que devemos literalmente imitar a Deus, pois o verbo (mimêtês) significa estritamente “tornar-se”.
Mas alguém poderia ainda me questionar: “Mas em português mimetismo aponta a imitação como uma adaptação da realidade. Não seria isso algo falso?”. Ainda outros poderiam questionar da seguinte forma: “Será que Paulo está sugerindo que nós devemos nos tornar como Deus, assumindo um caráter “divino em menor grau”?”. Bem, respondemos assim as duas perguntas.
Paulo não está sugerindo uma simples imitação como adaptação da realidade, como se colocássemos uma máscara e vivêssemos como um personagem. Também o apóstolo não está dizendo que devemos ser “pequenos deuses”, pois a Escritura é muito clara: “[...] Não darei a minha glória a outro [...]” (Isaías 42:8). A visão é clara, pois aqueles que foram alcançados pela graça de Deus foram feitos filhos de Deus pela mesma graça (cf. João 1:12). Ora, se foram tornados filhos, qual o desejo do Pai senão que esses filhos sigam Seu exemplo e vivam como Ele?
No texto original não há divisão entre capítulos e versículos, de modo que a afirmação paulina se baseia num argumento já explanado pelo apóstolo antes. No final do capítulo 4 Paulo explana que não devemos viver como vivem os gentios “[...] em pensamentos fúteis, obscurecidos no entendimento, separados da vida de Deus pela ignorância e dureza do coração” (4:17b,18). Esse estilo de vida é marcado pela insensibilidade, depravação e impureza (4:19) e não reflete o que aprendemos de Cristo (4:20). Paulo ainda argumenta que, se eles foram de fato ensinados a seguir a Cristo (4:21), sabem que foram chamados a se despir da velha natureza (4:22), sendo renovados mente (4:23) e se revestindo da nova natureza “[...] criado segundo Deus em verdadeira justiça e santidade” (4:24). Essa nova natureza significa abandonar a mentira e falar a verdade (4:25), não deixar  ser dominado pela ira (4:26), não dar lugar ao Diabo (4:27), deixar de roubar para trabalhar arduamente e compartilhar com outros a bênção (4:28), ter uma linguagem sadia e edificante (4:29), não entristecer o Espírito Santo (4:30), eliminar do coração sentimentos odiosos e amargos (4:31), mas ser bondoso, compassivo e perdoador, seguindo o exemplo de Deus em Cristo (4:32). É nesse contexto que Paulo nos diz: “Portanto, sede imitadores de Deus, como filhos amados”.
Mas vale salientar que essa explanação de Paulo nada mais é que aquilo que Cristo disse no Sermão do Monte: “Sede, pois, perfeitos, assim como perfeito é o vosso Pai celestial” (Mateus 5:48). E o que significa ser perfeito aqui na declaração de Jesus? Certamente não tem a ver com a ideia de perfeição do ponto de vista humano. No texto de Mateus temos o vocábuloteleios que significa completo. Ou seja, Jesus tinha em mente que o caráter de Deus deveria ser completo naqueles que dizem ser Seus filhos.
Por isso Paulo vai dizer logo em seguida: “e andai em amor como Cristo, que também nos amou e se entregou por nós a Deus como oferta e sacrifício com aroma suave” (Efésios 5:2). Isto é, ser um imitador de Deus é andar – no sentido de viver (peripatéô) – como Cristo, que é o verdadeiro modelo e guia. O diferencial entre viver como Cristo e seguir meramente uma religião é o amor. O amor a Deus e ao próximo torna-se a grande característica da vida diária cristã. Jesus Cristo viveu a nossa humanidade, sem pecado, e nos deu Seu exemplo do qual serve como cópia e exemplo a ser seguido.

Portanto, imitar a Deus não é fruto de um esforço humano que se pauta na única preocupação de seguir regras e normas para no final sentir-se consolado e feliz com a autojustificação. Esse é o objetivo da religião em si: buscar seguir regras que deem ao ser humano um motivo para se orgulhar. No entanto, essa é a diferença entre a religião humana e o cristianismo autêntico: o amor a Deus que nos faz viver para agradá-lO em todo tempo. E assim, como filhos que olham com admiração e amor ao pai, e desejam imitá-lo, da mesma forma somos chamados a olhar para o alto (Colossenses 3:1-3) e contemplar o Pai em admiração, temor e amor, vendo Cristo à Sua direita e tendo Nele o objetivo de nossa vida: andar como Cristo andou para ser imitadores de Deus.

28 de julho de 2014

Escola do Legislativo abre inscrições para cursos de línguas e capacitação

A Escola do Legislativo “Félix de Sousa Araújo” da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) está com inscrições abertas para cursos de capacitação e de línguas, para o semestre 2014.2.

As vagas são prioritárias para os servidores da Casa de Epitácio Pessoa, escolas parceiras, Câmaras Municipais e alunos veteranos. O período de inscrição para esse público será encerrado na próxima segunda-feira (28).

As vagas remanescentes serão abertas para o público em geral. Para este semestre, a Escola do Legislativo está com vagas para o curso preparatório para o vestibular, informática básica, inglês, francês, espanhol e libras em três estágios diferentes (I, II e III), redação, educação de jovens e adultos (EJA).

A Escola também oferece o curso de taquigrafia, voltado exclusivamente para servidores da ALPB, de câmaras municipais, da Escola Superior da Magistratura (Esma), da Fundação Escola Superior do Ministério Público do Estado da Paraíba (Fesmip-PB), da Escola de Contas Conselheiro Otacílio Silveira do Tribunal de Contas do Estado (TCE), da Escola da Polícia Militar da Paraíba (PMPB), entre outros parceiros.

Os alunos que se inscreverem também poderão participar de um treinamento sobre “Arte e Educação”, com a participação de psicólogos e educadores. O objetivo é analisar e acompanhar o comportamento humano utilizando a exibição de imagens e filmes. Em agosto, já está programado um debate sobre sustentabilidade e diversidade na sala de aula.

A Escola do Legislativo “Félix de Sousa Araújo” fica localizada no prédio do Anexo VI da Assembleia Legislativa da Paraíba, na avenida Dom Pedro I, 445, no Centro de João Pessoa. As inscrições ocorrem de forma presencial sempre no início de cada semestre letivo. Outras informações pelo telefone 3214-4594.


Texto: Ângelo Medeiros- ALPB

27 de julho de 2014

Galo canta alto no terreiro: Treze 3X0 Payssandu

Jogando neste domingo (27), no estádio Presidente Vargas, em Campina Grande, o Treze venceu por três tentos a zero a equipe do Payssandu de Belém do Pará.

Trezegoleia o Payssandu com o apoio de sua apaixonada torcida
Os tentos do time comandado por Givanildo Oliveira foram anotados por Ricardo Oliveira, dois, e Bruno, sendo um tento no primeiro tempo e dois na etapa de complemento.
Foi um vitória justa, num jogo bem disputado, mas, sempre com uma maior presença no gramado do representante paraibano, que após mudar de técnico e contratar alguns bons jogadores vem crescendo muito de produção.
Agora com dez pontos, perdendo a quinta posição apenas numa pequena diferença no saldo de gols para o quinto colocado, o Galo da Borborema, que enfrenta o Salgueiro no próximo domingo, fora de casa, tem tudo para disparar em busca das primeiras colocações neste difícil Campeonato Brasileiro da Série C.
O torcedor do alvinegro serrano, que compareceu em bom número ao PV, promete apoio total nos próximo jogos da equipe, agora, bem mais confiante por conta dos últimos resultados. 

Raposa não deixa a Patativa voar

O Campinense, por sua vez, começou bem a Série D, empatando com o Central de Caruaru, no Lacerdão, com uma apresentação convincente, não se intimidando com os cinco mil centralinos que compareceram para prestigiar a partida.
Quem abriu a contagem foi o representante de Campina Grande, logo ao 3 minutos do primeiro tempo, provando que o treinador Freitas Nascimento soube organizar bem a sua equipe para a estreia no brasileiro da quarta divisão. Zaboto marcou para o Campinense, enquanto o central mesmo empatando aos 12 minutos, não teve força para sobrepujar a forte defensiva rubro-negra.
Campinense empata fora de casa na estreia da Série C e
torcida vai empurra a equipe  no segundo jogo em João
Pessoa contra a Jacuipense.  
O placar de um tento a um foi considerado bom para a Raposa, que mesmo tendo oportunidades para vencer, não soube aproveitá-las, no entanto, não deixando, no entanto a Patativa  voar no Estádio Pedro Victor de Albuquerque. 
Para o treinador do rubro-negro, Freitas Nascimento, mesmo não conseguindo vencer, o empate não deixa de ser um bom resultado, pois a sua equipe faz o seu segundo jogo em casa contra a Jacuipense, da Bahia, que vem à Paraíba com um verdadeiro bicho papão, após duas partidas e dois resultados positivos.     
  

Imitadores de DEUS

Qual o maior prazer de um pai ao ver seu filho? Como pai de três meninos sinto-me com a enorme responsabilidade de ser um exemplo para a vida deles. Minha alegria é quando os vejo agindo de acordo com a Palavra de Deus. Mas o que alegra, e ao mesmo tempo acende um alerta em meu coração, é quando eles imitam minhas ações; alegria quando é algo bom, alerta quando é algo ruim. Querendo ou não meu exemplo pode influenciar positiva ou negativamente meus filhos.
Pr. Gilson Jr. - Igreja Batista do Estoril - Bauru-SP
O apóstolo Paulo escrevendo aos efésios diz: “Portanto, sede imitadores de Deus, como filhos amados” (Efésios 5:1). Alguém poderia questionar essa palavra e dizer: “Como podemos imitar a Deus? O que Paulo quis dizer com isso?”. É interessante notar que o apóstolo usa o vocábulo mimêtai, do qual deriva a palavra mimetismo em português. Aqui o vocábulo diz que devemos literalmente imitar a Deus, pois o verbo (mimêtês) significa estritamente “tornar-se”.
Mas alguém poderia ainda me questionar: “Mas em português mimetismo aponta a imitação como uma adaptação da realidade. Não seria isso algo falso?”. Ainda outros poderiam questionar da seguinte forma: “Será que Paulo está sugerindo que nós devemos nos tornar como Deus, assumindo um caráter “divino em menor grau”?”. Bem, respondemos assim as duas perguntas.
Paulo não está sugerindo uma simples imitação como adaptação da realidade, como se colocássemos uma máscara e vivêssemos como um personagem. Também o apóstolo não está dizendo que devemos ser “pequenos deuses”, pois a Escritura é muito clara: “[...] Não darei a minha glória a outro [...]” (Isaías 42:8). A visão é clara, pois aqueles que foram alcançados pela graça de Deus foram feitos filhos de Deus pela mesma graça (cf. João 1:12). Ora, se foram tornados filhos, qual o desejo do Pai senão que esses filhos sigam Seu exemplo e vivam como Ele?
No texto original não há divisão entre capítulos e versículos, de modo que a afirmação paulina se baseia num argumento já explanado pelo apóstolo antes. No final do capítulo 4 Paulo explana que não devemos viver como vivem os gentios “[...] em pensamentos fúteis, obscurecidos no entendimento, separados da vida de Deus pela ignorância e dureza do coração” (4:17b,18). Esse estilo de vida é marcado pela insensibilidade, depravação e impureza (4:19) e não reflete o que aprendemos de Cristo (4:20). Paulo ainda argumenta que, se eles foram de fato ensinados a seguir a Cristo (4:21), sabem que foram chamados a se despir da velha natureza (4:22), sendo renovados mente (4:23) e se revestindo da nova natureza “[...] criado segundo Deus em verdadeira justiça e santidade” (4:24). Essa nova natureza significa abandonar a mentira e falar a verdade (4:25), não deixar  ser dominado pela ira (4:26), não dar lugar ao Diabo (4:27), deixar de roubar para trabalhar arduamente e compartilhar com outros a bênção (4:28), ter uma linguagem sadia e edificante (4:29), não entristecer o Espírito Santo (4:30), eliminar do coração sentimentos odiosos e amargos (4:31), mas ser bondoso, compassivo e perdoador, seguindo o exemplo de Deus em Cristo (4:32). É nesse contexto que Paulo nos diz: “Portanto, sede imitadores de Deus, como filhos amados”.
Mas vale salientar que essa explanação de Paulo nada mais é que aquilo que Cristo disse no Sermão do Monte: “Sede, pois, perfeitos, assim como perfeito é o vosso Pai celestial” (Mateus 5:48). E o que significa ser perfeito aqui na declaração de Jesus? Certamente não tem a ver com a ideia de perfeição do ponto de vista humano. No texto de Mateus temos o vocábuloteleios que significa completo. Ou seja, Jesus tinha em mente que o caráter de Deus deveria ser completo naqueles que dizem ser Seus filhos.
Por isso Paulo vai dizer logo em seguida: “e andai em amor como Cristo, que também nos amou e se entregou por nós a Deus como oferta e sacrifício com aroma suave” (Efésios 5:2). Isto é, ser um imitador de Deus é andar – no sentido de viver (peripatéô) – como Cristo, que é o verdadeiro modelo e guia. O diferencial entre viver como Cristo e seguir meramente uma religião é o amor. O amor a Deus e ao próximo torna-se a grande característica da vida diária cristã. Jesus Cristo viveu a nossa humanidade, sem pecado, e nos deu Seu exemplo do qual serve como cópia e exemplo a ser seguido.

Portanto, imitar a Deus não é fruto de um esforço humano que se pauta na única preocupação de seguir regras e normas para no final sentir-se consolado e feliz com a autojustificação. Esse é o objetivo da religião em si: buscar seguir regras que deem ao ser humano um motivo para se orgulhar. No entanto, essa é a diferença entre a religião humana e o cristianismo autêntico: o amor a Deus que nos faz viver para agradá-lO em todo tempo. E assim, como filhos que olham com admiração e amor ao pai, e desejam imitá-lo, da mesma forma somos chamados a olhar para o alto (Colossenses 3:1-3) e contemplar o Pai em admiração, temor e amor, vendo Cristo à Sua direita e tendo Nele o objetivo de nossa vida: andar como Cristo andou para ser imitadores de Deus.

Notícias da UEPB


Câmpus III da Universidade Estadual da Paraíba abre inscrição para 6ª Semana de Humanidades


De 28 a 31 de outubro, o Câmpus III da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), situado em Guarabira, realiza a 6ª Semana de Humanidades com o objetivo de estabelecer um espaço de discussão, troca e construção de saberes. Os interessados em apresentar trabalhos têm até o dia 5 de agosto para efetuar suas inscrições, exclusivamente pelo endereço eletrônico http://semanadehumanidades.wix.com/ch-uepb#!student-life/c11m6.
Com o tema “Formação de Professores e Direito à Educação”, o evento preza pela diversidade e multiplicidade de culturas através do compartilhamento de conhecimentos voltados para a formação de cidadãos capazes de compreender e conviver em meio ao novo contexto sociocultural do Século XXI.
A sexta edição do evento apresenta uma vasta programação que abrange as áreas de Direito, Letras, Educação, Geografia e História. Estão sendo disponibilizados 31 minicursos e 25 simpósios temáticos, além de palestras, mesas redondas e atividades culturais.
Mais informações sobre o evento e a programação completa podem ser acessadas através do endereço eletrônicohttp://semanadehumanidades.wix.com/ch-uepb.


Botafogo empata com Fortaleza e continua entre os quatro primeiros de seu grupo na Série C

O Botafogo obteve um bom resultado  neste sábado (26) ao empatar sem abertura de contagem com o Fortaleza em jogo realizado na Arena Castelão. Com o empate o time paraibano continua entre os quatro primeiros de seu no Brasileiro da Série C.
"Foi um resultado heroico" - assim classificou o treinador do BELO, ressaltando que  os jogadores do seu time não agrediram o adversário com ele esperava, mas souberam se defender e suportar o volume de jogo do adversário, que pressionou e teve chances de conquistar um resultado positivo.
O Fortaleza ainda desperdiçou uma penalidade máxima cobrada pelo atacante Robert, bem defendida pelo goleiro Carlos, que substituiu muito ao titular Genivaldo.

Treze joga hoje contra Payssandu  

Hoje, o Treze enfrenta o Payssandu em jogo programado para o Estádio Presidente Vargas, numa partida em que a torcida do alvinegro espera um resultado positivo de sua equipe, que vem de um empate contra esse mesmo Fortaleza, só que dentro de casa.
Obtendo a vitória o Treze passará para uma posição mais confortável na tabela, aproximando-se mais dos quatro primeiros colocados.