24 de julho de 2014

4º Seminário de Saberes Arquivísticos da UEPB

Workshops, mesas de discussão, palestras, mostras de linguagem, exibição de pôsteres e comunicações orais são algumas das atividades programadas para a 4ª edição do “Seminário de Saberes Arquivísticos: vivências de linguagens e práticas sociais na universidade”, que será realizado de 25 de julho a 1º de agosto, no Câmpus V da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), em João Pessoa.
O evento, que é promovido pelo projeto “Seminário de Saberes Arquivísticos – SESA” com o apoio da coordenação do curso de Arquivologia da UEPB, conta com a participação de docentes e discentes do referido bacharelado na organização das atividades.
Durante as atividades serão discutidas aspectos relacionados à arquitetura da informação, acessibilidade e usabilidade, a escrita monográfica sem mistério, as possibilidades de inserção do arquivista no mercado de trabalho, resolução de questões de português e arquivologia de concurso, entre outros.
As inscrições para o evento podem ser realizadas através do site do Projeto SESA enquanto houver vagas. Outras informações: http://generosnoensinosuperior.blogspot.com.br/.

Universidade Estadual promove Encontro de Formação Inicial de Professores de Língua Portuguesa



A Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) realiza, entre os dias 28 e 30 de julho, das 18h30 às 21h30, no Auditório II do Centro de Integração Acadêmica, em Campina Grande, o 2º Encontro de Formação Inicial de Professores de Língua Portuguesa da UEPB, que neste ano aborda o tema “Estágio Supervisionado de Língua Portuguesa no Ensino Médio”.
O evento, que é gratuito e aberto à comunidade acadêmica e demais interessados, conta com os apoios institucionais do Departamento e da Coordenação de Letras e Artes da UEPB – Câmpus I e surge a partir das ações de pesquisa, monitoria e intervenção docente desenvolvidas nos Estágios Supervisionados III e IV da disciplina de Língua Portuguesa, sob a orientação do professor Linduarte Pereira Rodrigues.
De acordo com os organizadores, o evento tem em vista discutir a formação do professor de Língua Portuguesa que atua no término do Ensino Básico e do Ensino Médio, período em que se espera que os alunos atendam aos requisitos básicos sobre o uso do Português em suas práticas sociais institucionalizadas pela escola, família, igreja, trabalho e outros domínios.
Além disso, também toma como meta um direcionamento de formação do humano, proposto pelos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) e as Orientações Curriculares para o Ensino Médio (OCEM), documentos oficiais que norteiam a prática docente no Ensino Básico e consequentemente a formação do professor. O evento conta ainda com lançamento de livros e sessões de autógrafos.

23 de julho de 2014

2º Seminário Interdisciplinar Desenvolvimento Humano e Educação Escolar


Resultado de imagem para imagem campus da uepb em campina grande

A Coordenação do curso de Especialização em Desenvolvimento Humano e Educação Escolar da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) realiza, nesta quarta-feira (23), das 20h30 às 21h30, no Auditório II do Centro de Integração Acadêmica, no Câmpus de Bodocongó, o seu 2º Seminário Interdisciplinar, coordenado pelas professoras Rosemery Alves e Maria da Guia Rasia.
O seminário tem como objetivo consolidar os debates sobre Desenvolvimento Humano travados nas disciplinas oferecidas pelo curso, bem como integrar os discentes e docentes da graduação e da pós-graduação. Serão oferecidas 60 vagas e as inscrições podem ser feitas no local do evento. Todos os participantes receberão certificado.

22 de julho de 2014

A COPA que se foi


Passou a Copa do Mundo e, mais uma vez ficou claro que não sabemos perder e somos falastrões, verdadeiros campeões do negativismo e somente encontramos defeitos no que possuímos.
Nenhum selecionado, até hoje, apesar do fracasso da nossa participação na competição futebolística encerrada, tem o nosso número de títulos mundiais. Para alguns comentaristas, aliás, para a maioria deles, estamos sem craques, sem treinadores e, somente capacitados são os de fora, notadamente os europeus.
Reconhecemos, e, não de hoje, que a incompetência dos dirigentes do futebol nacional é uma verdade. Desde o tempo de CBD, e eu era menino, a figura do dirigente João Havelange já era contestada. Mesmo assim, esse cidadão chegou a ser dirigente da FIFA. Após certo tempo, passou a ser uma figura criticada e, temos que admitir, sempre foi um “sabido demais”, como se diz na gíria popular. Mas, não podemos negar, que os dirigentes de hoje dessa verdadeira madrasta do futebol mundial, continuam fazendo bobagens e sendo criticados. O Ricardo Teixeira também foi e, os atuais, continuam no mesmo ritmo de incompetência.
No cenário local – Paraíba – sempre fui testemunha, quando ainda era criança e nos últimos anos como jornalista, que a imprensa nunca morreu de amores pelos dirigentes da FPF, desde Genival Leal de Menezes, passando por Juracy Pedro Gomes até Dona Rosilene, que terminou sendo destituída do cargo para dar lugar aos integrantes de uma famosa junta, mais clubística do que de verdadeiros dirigentes, que ainda nada fez pelo nosso futebol, em termos é bom que se diga de organização. As bobagens e o apoio aberto à determinada agremiação são patentes, para um clube que, nos últimos anos vem bem e não precisaria desse escancarado patrocínio.
Mas, voltando à nossa seleção, após essas considerações temos que repetir que jogadores de qualidade existem. Eles despontam naturalmente, não são fabricados por treinadores, nem por dirigentes de clubes ou entidades.
Pelé, Gerson, Rivelino, Garricha, Jairzinho, Djalma Santos, Dida, Vavá e tantos outros não foram fabricados em laboratórios. Precisamos dar condições de treinamentos aos atletas num clube? Precisamos, é claro! Para isso, no entanto, necessitamos de planejamento, pois organização nunca fez mal a ninguém. Foi o que faltou para os nossos meninos. Faltou-lhes mais tempo para treinamentos, quer técnico, quer físico. Esses dois fatores dariam, naturalmente, maior rendimento coletivo dentro de campo, não necessariamente o título, pois esse é uma contingência do jogo. Não foi Felipão que SOUBE TREINAR. Na verdade, para sermos justos, os jogadores selecionados chegaram tardiamente para o trabalho de preparação, motivo maior para o desastre do rendimento coletivo.
A seleção da Alemanha campeã e, com justiça, representa o resultado de um trabalho de vários anos, inclusive de resultados negativos, como por exemplo, uma pífia participação, com esses mesmos jogadores e treinador na última EUROCOPA, QUANDO FOI DESCLASSIFICADA ficando na última colocação.
Por fim, esses jogadores brasileiros desta Copa, são os mesmos que passaram por uma categoria de base da CBF, e, chegaram ao time titular com méritos, tanto que, foram contratados em sua maioria pelo futebol europeu. Desaprenderam? Somente jogam lá nos seus times? Claro que não. Faltou-lhes humildade e mais cuidado nos treinamentos, o que sobrou claramente na outras equipes, até na Argentina, que mesmo não jogando o seu melhor futebol contou com jogadores mais preparados e com vontade de jogar.
Não venham, pois, com esse conversa mole de treinadores de fora, de que estamos defasados, ultrapassados e sem craques. Estamos sem organização e planejamento pela incompetência de nossos dirigentes. E, temos também que acabar com essa bobagem de utilizar na maioria das convocações jogadores que atuam fora. Precisamos valorizar os que atuam aqui, aqueles que estamos vendo jogar e, treiná-los e prepara-los melhor. O resto é conversa de alguns idiotas que usam microfone e escrevem para qualquer que seja o meio pensando que são treinadores e que somente a coisa anda certa na casa do vizinho. Precisamos saber perder.        
   



15 de julho de 2014

Farmácia Escola da UEPB desenvolve produtos fitoterápicos destinados a p...

UEPB NOTÍCIAS

Cineclube Machado Bittencourt promove exibição do filme “Deus e o Diabo na Terra do Sol”


tersolHá 50 anos foi lançado um dos mais importantes filmes da história do cinema brasileiro: “Deus e o Diabo na Terra do Sol”, do diretor Glauber Rocha. Como forma de prestar homenagem ao cinquentenário do filme, o Cineclube Machado Bittencourt, projeto de extensão do Departamento de Comunicação (DECOM) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), exibe na próxima quinta-feira (17), a primeira obra do diretor baiano a ser lançada em DVD.
A sessão acontece a partir das 16h, na Sala 213 do Centro de Integração Acadêmica, no Câmpus de Bodocongó. “Deus e o Diabo na Terra do Sol” foi realizado em meio à convulsão política do país, de 1963 para 1964, e estreou em três cinemas do Rio de Janeiro, no dia 10 de julho de 1964. Suas primeiras sessões privadas, realizadas nos meses anteriores, já haviam provocado assombro nos convidados de seu diretor.

Para os críticos de cinema, a trama diz mais sobre o Brasil do ponto de vista identitário do que sobre o período específico do golpe militar. Trata-se de uma livre adaptação da peça ateia-existencialista. Exibido em Cannes na mesma edição para a qual foi selecionado Vidas Secas, “Deus e o Diabo” levou seu diretor a estreitar os laços com a prestigiosa crítica francesa, além de apresentar o Cinema Novo ao circuito dos grandes festivais europeus.